segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O branco votou no verde




Contrariando a expectativa de muitos, inclusive a deste blogueiro, a eleição para presidente vai para o segundo turno.

Como em 2006, achou-se que o bom desempenho nas pesquisas e uma campanha plasticamente bem feita seriam suficientes para ganhar a eleição já no primeiro turno.

Mas, a esquerda não ganha eleição para presidente desse jeito.

Amparados no amplo apoio da imprensa golpista e nos preconceitos difundidos pelos conservadores em todos os cantos do país, os demo-tucanos conseguiram virar votos decisivos.

É verdade que esses votos não foram para seu candidato, José Serra, mas sim para Marina.

Os votos extras de Marina são votos de quem não viu diferenças importantes entre Dilma e Serra. Ou melhor, de quem acha os dois igualmente ruins. Captam uma faixa do eleitorado que diz ter "nojo" de política, que "ninguém presta", etc.

Politicamente, é para esse eleitorado que existe a tecla "branco" na urna eletrônica.

Marina não puxou apenas os votos "verdes", puxou também os votos "brancos".

A questão é que há enormes diferenças entre Dilma e Serra.

No segundo turno de 2006, Lula soube, com razão, carimbar o PSDB como o partido da privatização. Demarcou diferenças. Tornou-as claras para a maioria da população ao ponto que Alckimin teve menos votos no segundo do que no primeiro turno.

Agora, em 2010, a situação é parecida.

Só musiquinha não vai resolver. Tem que ter mais política.

Temos que mostrar para a população brasileira, e não apenas aos eleitores de Marina, as grandes diferenças políticas entre Serra e Dilma, entre as forças políticas que apoiam o tucano e as que apoiam a petista.

Mostrar o alinhamento automático e submisso do Serra aos interesses dos Estados Unidos contra os interesses nacionais.

Mostrar que o PSDB e o PFL continuam sendo os partidos das privatizações, do Estado Mínimo e do neoliberalismo extremado.

Que os demo-tucanos, seja no governo federal seja nos governos estaduais, perseguem e criminalizam os movimentos sociais e a organização popular.

Que foi no governo Lula/Dilma que houve aumento real do salário mínimo e da rede de proteção aos mais pobres.

Ao mesmo tempo, esclarecer e prevenir a população contra as manipulações e os preconceitos que virão ainda mais fortes.

Se o segundo turno servir para politizar a campanha, terá valido a pena.

Como disse o Brizola Neto: "se temos mais um passo a dar, que ele nos leve mais longe".

2 comentários:

  1. vc está se saindo um bom governista! teve segundo turno porque a população não engole esse governo neoliberal de lula e viu em marina uma esperança de mudança! o povo quer mudança, vcs se contentam com migalhas... é verdade que entre serra e dilma, votar em dilma é a única saída, mas votar nela consciente de que a política neoliberal será fielmente aplicada. e não iludindo o povo dizendo que ela é melhor para a popualçao e para os movimentos populares, a não ser que esses movimentos sejam GOVERNISTAS!

    ResponderExcluir
  2. 1. Como tentei mostrar no texto, não acho que os votos da Marina vieram dos setores progressistas e interessados em transformações sociais.

    2. Seu argumento é incosistente. Se Serra e Dilma são exatamente iguais, por que votar em Dilma é a única saída?

    3. Caso seja eleita, as medidas neoliberais que vierem a ser adotadas pelo governo serão sim combatidas. A questão é que acho que as condições desse combate serão melhores em um governo do PT do que do PSDB.

    PS: Gostaria que, em seu próximo comentário, se houver, você se identificasse. É estranho debater com um "anônimo".

    Abs.

    ResponderExcluir