sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Indignação seletiva


Há algum tempo, li na internet, não lembro onde, um excelente artigo sobre a chamada indignação seletiva do PIG.

Esse termo refere-se à maneira como o PIG seleciona quais notícias irão se transformar em "escândalos nacionais" e quais serão olimpicamente esquecidas.

A regra de decisão não é a gravidade ou o interesse público pelo tema. Na verdade, é uma regra bem simples que até o mais puxa-saco dos jornalistas do PIG consegue entender: se for contra o governo, reperdussão máxima. Se for contra a oposição, esqueça.

Na última semana o PIG foi pródigo em exercer sua indignação seletiva. Vejamos:

A CartaCapital dessa semana, traz uma detalhada matéria de como uma empresa chefiada pela filha do Serra, Verônica Serra, quebrou o sigilo bancário de milhões de brasileiros durante o governo FHC, do qual seu pai era ministro (aqui).

Por outro lado, a Veja, também dessa semana, traz um denúncia de que o filho da ex-acessora de Dilma e então ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, estaria praticando tráfico de influência (a política de higiene do blog não permite que eu coloque um link da Veja aqui, mas tenho certeza que você já viu essa notícia.)

O que aconteceu depois? Uma investigação imparcial e cuidadosa de ambas as denúncias?

Para a filha do Serra, foi moleza. Não precisou dizer nada. A denúncia contra ela e as possíveis ligações do seu pai no esquema simplesmente sumiram. É como se nunca houvessem existido. Ninguém fala delas.

Erenice não teve o mesmo tratamento privilegiado. Ela é do PT, portanto, está em seu DNA a corrupção. Toneladas de tinta e papel são gastas para tentar, a qualquer custo, ligar as acusações contra o filho da ex-ministra com a Dilma.

Ontem, o Jornal Nacional massacrou os expectadores tentando fazer essa ligação. Acho que nem quando o Brasil ganhou a Copa uma matéria teve tanto tempo no JN. Na verdade, é difícil saber onde termina o jornal e onde começa a propaganda do Serra.

E o "escândalo" da Receita? Não. Esse já era. Não colou.

A bola da vez é o filho da Erenice. Como sempre, o PIG vai substituir a falta de provas factuais por centenas de matérias com meias-verdades e especulações. Não há tempo a perder, afinal, a eleição é daqui a apenas 15 dias.

Nesse exato momento, enquanto você lê esse blog, dezenas de jornalistas do PIG vasculham seus arquivos procurando uma foto da Dilma com o filho da Erenice. Vale até em coluna social. Não importa. O importante é conseguir alguma coisa que possa ser usada como peça publicitária.

E ainda não acabou. O fundo do poço é mais embaixo. Até o dia da eleição, PIG e o PSDB farão com que as manipulações da eleição de 1989 pareçam coisa de criança.

De tudo isso, pelo menos uma coisa foi positiva. Antes de sair da Casa Civil, Erenice falou o que todos os brasileiros falarão em 03 de outubro: Serra é um político derrotado e sem ética.

Um comentário:

  1. Caro Humberto,

    Não se trata apenas de preferir escândalos que possam, de algum modo, abalar o governo e/ou a candidatura de Dilma, mas também de explorar o escândalo que melhor potencial tem para fragilizar a disputa.

    No entanto, dada a credibilidade do PIG e a velocidade com que aparecem novos escândalos, algo me diz que esta tática não funcionará. Abcs,

    Guilherme

    ResponderExcluir