sábado, 18 de setembro de 2010

Por que o PIG apoia o Serra?


A explicação para a furiosa campanha que o PIG tem feito contra a Dilma vai além da concordância com as propostas reacionárias do consórcio PSDB/PFL.

Desacreditada e com as vendas em queda (aqui), a imprensa golpista precisa das gordas verbas publicitárias repassadas pelos governos do PSDB (felizmente, o PFL não tem mais nenhum governador) para continua viva.

No governo FHC, 90% das verbas publicitárias do governo federal e das estatais iam para a Rede Globo. No governo Lula, esse número caiu para 52% (aqui).

Serra é igualmente generoso. Vejam quanto ele gastou há menos de 04 meses da eleição para manter a lealdade do PIG à sua derrotada e aética campanha:

Membro do PIG

Número do Contrato

Data

Número de Assinaturas

Valor

Revista IstoÉ

15/00548/10/04

27/05/2010

5.200

R$ 1.203.280,00

Jornal O Estado de São Paulo

15/00545/10/04

28/05/2010

5.200

R$ 2.568.800,00

Revista Veja

15/00547/10/04

29/05/2010

5.200

R$ 1.202.968,00

Jornal Folha de São Paulo

15/00550/10/04

08/06/2010

5.200

R$ 2.581.280,00

Revista Época

15/00546/10/04

11/06/2010

5.200

R$ 1.202.968,00

Total




R$ 8.759.296,00

fonte: Tijolaço

R$ 8,7 milhões! Em menos de 15 dias!

Esse é o verdadeiro escândalo nacional. Não os factóides inventados pelo PIG.

Em 03 de outubro, daremos o troco.



sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Indignação seletiva


Há algum tempo, li na internet, não lembro onde, um excelente artigo sobre a chamada indignação seletiva do PIG.

Esse termo refere-se à maneira como o PIG seleciona quais notícias irão se transformar em "escândalos nacionais" e quais serão olimpicamente esquecidas.

A regra de decisão não é a gravidade ou o interesse público pelo tema. Na verdade, é uma regra bem simples que até o mais puxa-saco dos jornalistas do PIG consegue entender: se for contra o governo, reperdussão máxima. Se for contra a oposição, esqueça.

Na última semana o PIG foi pródigo em exercer sua indignação seletiva. Vejamos:

A CartaCapital dessa semana, traz uma detalhada matéria de como uma empresa chefiada pela filha do Serra, Verônica Serra, quebrou o sigilo bancário de milhões de brasileiros durante o governo FHC, do qual seu pai era ministro (aqui).

Por outro lado, a Veja, também dessa semana, traz um denúncia de que o filho da ex-acessora de Dilma e então ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, estaria praticando tráfico de influência (a política de higiene do blog não permite que eu coloque um link da Veja aqui, mas tenho certeza que você já viu essa notícia.)

O que aconteceu depois? Uma investigação imparcial e cuidadosa de ambas as denúncias?

Para a filha do Serra, foi moleza. Não precisou dizer nada. A denúncia contra ela e as possíveis ligações do seu pai no esquema simplesmente sumiram. É como se nunca houvessem existido. Ninguém fala delas.

Erenice não teve o mesmo tratamento privilegiado. Ela é do PT, portanto, está em seu DNA a corrupção. Toneladas de tinta e papel são gastas para tentar, a qualquer custo, ligar as acusações contra o filho da ex-ministra com a Dilma.

Ontem, o Jornal Nacional massacrou os expectadores tentando fazer essa ligação. Acho que nem quando o Brasil ganhou a Copa uma matéria teve tanto tempo no JN. Na verdade, é difícil saber onde termina o jornal e onde começa a propaganda do Serra.

E o "escândalo" da Receita? Não. Esse já era. Não colou.

A bola da vez é o filho da Erenice. Como sempre, o PIG vai substituir a falta de provas factuais por centenas de matérias com meias-verdades e especulações. Não há tempo a perder, afinal, a eleição é daqui a apenas 15 dias.

Nesse exato momento, enquanto você lê esse blog, dezenas de jornalistas do PIG vasculham seus arquivos procurando uma foto da Dilma com o filho da Erenice. Vale até em coluna social. Não importa. O importante é conseguir alguma coisa que possa ser usada como peça publicitária.

E ainda não acabou. O fundo do poço é mais embaixo. Até o dia da eleição, PIG e o PSDB farão com que as manipulações da eleição de 1989 pareçam coisa de criança.

De tudo isso, pelo menos uma coisa foi positiva. Antes de sair da Casa Civil, Erenice falou o que todos os brasileiros falarão em 03 de outubro: Serra é um político derrotado e sem ética.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

FIDELidade sempre!


Há alguns dias, o PIG, nacional e internacional, espalhou pelo mundo a incrível mentira de que Fidel Castro não era mais socialista (aqui).

Em seu delírio, o PIG exultava. Transbordava de felicidade. Fidel, o homem que junto a seu povo e seu partido vem , há 50 anos, derrotando os capitalistas de todo o mundo, ele, justo ele, havia se rendido.

Mas, apenas os tolos acham que suas mentiras podem tornar-se realidade pelo simples fato de serem amplamente divulgadas.

Então, menos de 2 dias após a falsa notícia, surge O Comandante, uniforme verde oliva, para mais uma vez calar o PIG:

"A verdade é que minha resposta significa exatamente o contrário de que ambos os jornalistas norte-americanos entenderam sobre o modelo cubano. Minha idéia, como todo o mundo conhece, é que o sistema capitalista já não serve nem para os Estados Unidos nem para o mundo, pois conduz a crises e mais crises cada vez mais constantes e globais" (aqui).

O PIG fechou-se em copas.

Vão tentar esquecer do assunto. Torcerão para que o mundo acredite na mentira divulgada. Dirão que Fidel se arrependeu de seu arrependimento.

O desmentido de Fidel não terá nem um décimo da divulgação da falsa notícia.

Essa é mentira número 78.984.562.389 que inventam contra a Revolução Cubana.

Fidel dorrotou todas.


domingo, 12 de setembro de 2010

Declaração de Voto


Uns por convicção, outros por falta de opção. Mas, enfim, é dessa forma que eu votarei em 03 de outubro:

Presidente: Dilma Rousseff - PT - 13
Governador: Mercadante - PT - 13
Senador 1: Marta Suplicy - PT -133
Senador 2: Netinho - PCdoB - 650
Dep. Federal: Darcy Rodrigues - PDT - 1203
Dep. Estadual: Raul Marcelo - PSOL - 50550

sábado, 11 de setembro de 2010

O PIG está com medo de perder também em São Paulo


A cobertura (?) das eleições no site da Folha de São Paulo traz hoje, em destaque, uma denúncia contra o governador do Ceará e candidato à reeleição Cid Gomes (aqui).

Segundo o jornal serrista, Cid usa irregularmente um avião de uma empreiteira que possui contratos milionários com o governo cearense.

Sinceramente, não tenho motivos para duvidar dessa informação. Casos de relações obscuras entre políticos conservadores e empreiteiras existem às centenas em todo o mundo.

Minha pergunta é: por que o destaque a essa notícia?

A resposta não será encontrada no Ceará, mas sim em São Paulo.

Explico: Cid Gomes é irmão de Ciro Gomes. Este último estava sumido desde que o PSB fechou com Dilma e não permitiu que ele se candidatasse a presidente.

Mas eis que Ciro voltou à cena, em São Paulo, fazendo campanha para o ultra-direitista Paulo Skaf, também do PSB. Se Skaf subir alguns pontinhos, a eleição de São Paulo vai para o segundo turno.

Nesse caso, o mais terrível cenário para o PSDB estaria próximo de se tornar realidade: vitória de Dilma já no primeiro turno e segundo turno em São Paulo.

Se a Dilma for eleita já em 03 de outubro, o PT (entenda-se, o Lula) vai entrar de corpo e alma na campanha do segundo turno paulista.

Sem o Planalto e sem o Bandeirantes, o PSDB não poderá manter, via generosas verbas publicitárias, o falido e desacreditado PIG.

A denúncia contra Cid (ainda que possivelmente verdadeira) tem um alvo certo: ameaçar Ciro Gomes. É um alerta para que o cearense não se meta nos assuntos paulistas.

O PSDB está com medo. O PIG está com medo.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Desmascarado o factóide do PIG! Serra sabia de tudo há um ano.



O vídeo acima é uma reportagem do SBT feita há um ano atrás. Em menos de 5 minutos a matéria destrói o factóide que o PIG e o PSDB querem empurrar no povo brasileiro para levar a eleição ao segundo turno.

O vídeo deixa claro três coisas fundamentais:

1) Há um gravíssimo problema com o armazenamento de dados na Receita Federal. Através de um programa pirata vendido nas ruas, pode-se ter acesso aos dados fiscais de milhões de brasileiros.

2) Ao contrário do que o PIG quer que acreditemos, esse esquema não foi montado pelo PT. Políticos da oposição e da situação tiveram seus dados roubados, inclusive, o próprio presidente Lula.

3) Serra já sabia da quebra do sigilo fiscal de sua filha. A surpresa e indignação com que ele a comenta hoje são uma mera peça de marketing.

Visto no Tijolaço


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Eleições de 2010: derrotar a extrema direita


Já publiquei, aqui, que a popularidade do governo não se deve ao carisma do Lula.

Atribuir os altos índices de aprovação ao carisma do presidente é, no fundo, uma manifestação de preconceito. É dizer que o povo brasileiro não é capaz de pensar com sua própria cabeça, sendo facilmente ludibriado por líderes carismáticos e/ou bons comunicadores.

Se tudo se resumisse a uma questão de marketing, com certeza José Serra seria eleito já no primeiro turno, pois o PIG faz descarada campanha pelo candidato do PSDB há anos.

A aprovação do governo Lula deve-se à comparação com o desastroso governo FHC e, principalmente, ao desejo por mudanças políticas e à rejeição popular ao neoliberalismo.

A popularidade do governo é o resultado desses sentimentos. Ela é não apenas do Lula, mas de todos os que lutam por essas transformações, estejam eles no governo ou na oposição.

Por isso, apesar de parecer contraditório, os partidos políticos e os movimentos sociais que fizeram a oposição de esquerda ao governo são também, em grande medida, responsáveis por esses índices de popularidade.

O MST e sua luta pela reforma agrária, o MLB que agita a luta pela reforma urbana, os estudantes que protestam por mais verbas para a educação, os servidores públicos que lutaram contra a reforma da previdência, todos esses, tiveram, ao longo desses oito anos, momentos de contradição e enfrentamento com o governo.

Mas, e isso é fundamental, a oposição de esquerda manteve viva a luta por transformações sociais. Uma luta que é, com razão, identificada com o Lula e com o PT. E essa identificação fica ainda mais clara quando, do outro lado, vemos a furiosa campanha de extrema direita realizada pelo PSDB/PFL.

Enquanto existir um agrupamento político com chances de vitória (como é o caso do consórcio PSDB/PFL) tão preconceituoso, tão reacionário, tão submisso aos interesses dos Estados Unidos, com tanta aversão ao povo, será necessária a união de todas as forças progressistas para evitar que essa aliança lesa-pátria retorne ao Planalto. E esse agrupamento das forças progressistas faz-se em torno do PT, pela sua história, pelo seu tamanho e, evidentemente, pelos avanços sociais que o governo Lula conseguiu quando enfrentou as forças conservadoras do país.

Por isso, todos aqueles que desejam e lutam por um Brasil com emprego, soberano e em paz, devem trabalhar para que o PSDB e o PFL sofram uma acachapante derrota em 03 de outubro. Eleger Dilma presidente e Mercadante para o governo de São Paulo, principal base eleitoral dos tucanos.

Se isso acontecer, o movimento operário e popular terá melhores condições de luta, inclusive, se for preciso, contra o próprio governo do PT.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

sábado, 4 de setembro de 2010

Comunistas com Dilma


O Correia de Transmissão publica abaixo um trecho da avalição do atual processo eleitoral feito pelo Comitê Central do Partido Comunista Revolucionário.

Eu já devia ter publicado esse texto há algum tempo. Portanto, pago agora essa dívida. A avaliação completa pode ser lida aqui.

_________________________________________

Derrotar Serra e a extrema direita - Avançar as lutas dos trabalhadores e do povo

Durante oito anos, de 1994 a 2002, os trabalhadores brasileiros sentiram na pele o que é um governo do PSDB: arrocho de salários, compra de deputados para aprovar a reeleição e privatizações de lucrativas empresas estatais.

Para enganar o povo, o governo do PSDB afirmou que o dinheiro das privatizações seria investido na educação, na saúde e na habitação. Mas, após entregar a preço de banana um rico e valioso patrimônio público a grandes monopólios privados, usou o dinheiro arrecadado em corrupção e no pagamento de juros aos banqueiros. No final, o Brasil ficou sem empresas como Vale do Rio Doce, Embratel, Telebrás e também sem os investimentos sociais.

Não bastasse, FHC criou o PROER (Programa de Estimulo e Reestruturação do Sistema Financeiro) para entregar R$ 25 bilhões dos cofres públicos aos banqueiros e sucateou a educa-ção pública.

Não fosse a resistência dos trabalhadores, teria privatizado o Banco do Brasil, a CEF, os Correios, implantado a AlCA (Área de Livre Comércio das Américas) e instalado uma base militar dos Estados Unidos no Município de Alcântara, no Maranhão, acabando com o que resta de nossa soberania.

Quando os trabalhadores reagiram a essa política e realizarem greves, o governo do PSDB agiu com toda a truculência. Prova disso foi a intervenção das tropas do Exército nas refinarias da Petrobras para reprimir a greve dos petroleiros em maio de 1995.

Em resumo, o programa do PSDB para o Brasil significa privatização do patrimônio público, repressão aos trabalhadores, arrocho dos salários e completa submissão ao imperialismo norte-americano.

Agora, o PSDB, com a candidatura de José Serra, pretende retomar o governo para mais uma vez implementar essa política. De fato, como já deixou claro em várias entrevistas, Serra é favorável a que o Brasil aprofunde sua relação de dependência com os EUA, e eleito defenderá a Alca em detrimento do Mercosul e tudo fará para derrubar os governos populares de Cuba, da Venezuela e da Bolívia.

Como se sabe, Cuba fez uma revolução em 1959 para conquistar sua independência e acabar com a exploração dos trabalhadores pelos capitalistas e, desde então, sofre um genocida bloqueio econômico e político dos Estados Unidos da América (EUA). Já os governos de Hugo Chávez, na Venezuela, e de Evo Morales na Bolívia, adotaram medidas contra a espoliação das riquezas dos seus países pelas multinacionais e enfrentam as oligarquias que há séculos roubam o povo desses países.

Porém, enquanto ataca os governos progressistas da América Latina, Serra nada diz sobre as sete bases militares que os EUA instalaram na Colômbia, a reativação da 4ª Frota Naval dos EUA ou sobre o vergonhoso golpe militar em Honduras, patrocinado pela CIA em julho do ano passado.

Ainda em sua campanha reacionária, Serra ataca o MST e as ocupações de terra, mas se cala sobre os 4,5 milhões de famílias sem terra existentes no país, resultado do avanço do capitalismo no campo, e sobre o fato de apenas 15 mil fazendeiros possuírem 98 milhões de hectares. Aliás, entre 1995 e 1996, no governo de FHC, 400 mil pequenos agricultores foram expulsos do campo e engrossaram o exercito dos sem terra em nosso país.

Por essas razões, o Partido Comunista Revolucionário (PCR), partido fundado pelo revolucionário Manoel Lisboa – covardemente assassinado pela ditadura militar em 1973 – convoca os trabalhadores e a juventude a derrotarem o candidato do PSDB e eleger Dilma Roussef, do PT, presidente da República.

É verdade que o governo Lula frustrou os trabalhadores ao não reestatizar as estatais privatizadas, continuar pagando juros bilionários da chamada dívida pública, manter privilégios para o agronegócio e cumprir um triste papel na intervenção do Haiti.

Mas é verdade também que não reprimiu os trabalhadores, apoiou os governos progressistas de Hugo Chávez e de Evo Morales e o governo revolucionário de Cuba, aumentou as verbas para a educação pública, ampliando o número de universidades públicas e de escolas técnicas e elevou o valor do salário mínimo.

Claro que isso é muito pouco diante das grandes injustiças que existem em nosso país; afinal, 1/3 da população vivem em condições precárias, milhões de jovens estão desempregados e os salários dos trabalhadores estão entre os mais baixos do mundo.

Porém, não há dúvida de que se o governo fosse do PSDB, essa situação seria ainda pior. E nós, os comunistas revolucionários, lutamos para melhorar as condições de vida do povo e não para piorá-las. Por isso, nessa eleição, derrotar o candidato da extrema direita e do imperialismo e eleger Dilma é a melhor opção para o movimento operário e popular.


quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A Espada de Dâmocles


Como esse blog já antevia há quase 8 meses, o PSDB entrou no STF pedindo a cassação da candidatura de Dilma Roussef (aqui).

Vão, como eu havia dito, tentar ganhar no tapetão o que não conseguirão ganhar nas urnas.

Qual a acusação feita pelos tucanos?

Na verdade, isso é o que menos importa. Qualquer arremedo de acusação já serve de pretexto.

O importante é transferir o poder de eleger o Presidente da República. Sai o povo e entram os ministros do STF. Os mesmos que absolveram os assassinos e torturadores da ditadura (aqui).

Por acaso, a acusação é de quebra de sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB.

Entretanto, apesar da avalanche de manchetes sobre o tema, de concreto mesmo sabe-se apenas que um falsificador teve acesso a esses dados.

Portanto, até a funcionária da Receita é uma vítima, enganada por alguém que portava documentos falsos.

Mas, se faltam provas, sobram apoio e espaço no PIG. Aliás, reparem como a Globo, sorrateiramente, mistura a notícia do pedido de cassação com o roubo de dados da Receita (aqui).

Se alguém estiver desembarcando agora no Brasil, terá a impressão de que esse é o tema mais importante a ser discutido em uma campanha presidencial.

Porém, o objetivo da direita não é cassação imediata da Dilma. Como sabemos, o governo Lula não fez todas as transformações necessárias ao desenvolvimento da nação e que são almejadas pelas forças políticas que o elegeram.

Essa acusação ficará arquivada em alguma gaveta conservadora do Supremo. Será uma ameaça constante, uma Espada de Dâmocles, pairando sobre o ar para ser usada quanto (ou se) o governo Dilma tocar adiante as mudanças mais profundas que o país precisa.