terça-feira, 29 de junho de 2010

Serra, o despreparado


Desde que foram indicados os nomes dos candidatos à Presidência da República, o PIG tem enchido as suas páginas com pseudo-análises sobre como o Serra é mais preparado, tem mais experiência eleitoral, blá, blá, blá...

Pois não é que "o mais preparado" conseguiu fazer a maior lambança na sua própria chapa?!

Depois de criar uma novela em torno de quem seria o vice do tucanato, eis que o nome do indicado é anunciado por ninguém menos que Roberto Jefferson (olha ele aí). E via Twitter!!

O Serra não tem competência nem pra anunciar o vice da sua chapa.

E o PFL, hein? Que gastou a maior parte do seu tempo na TV com a impopular figura do Serra, como fica?

Fica igual a bagaço de laranja. Ninguém quer! Teve até que reduzir o número de cadeiras para sua esvaziada convenção nacional (aqui).

O fato é que a chapa da direita chega nas eleições rachadinha, rachadinha. Haja preparo eleitoral!

No fundo, a aliança PSDB/PFL/PPS é isso aí. Uma mistura de conservadorismo político, fisiologismo e rasteiras eleitorais.

Se merecem.

O Brasil é que não merece nenhum deles.


quinta-feira, 10 de junho de 2010

Punição aos inocentes


Israel possui um arsenal secreto de armas nucleares. Impõe ao povo palestino um regime de apartheid e, na semana passada, assassinou ativistas desarmardos que tentavam entregar comida e medicamentos na Faixa de Gaza.

Diante dos protestos internacionais, Israel anunciou uma "suavização" do bloqueio imposto à Faixa de Gaza. (aqui)

Em que consiste essa "suavização"? Consiste em permitir, depois de três anos, a entrada em território palestino de "refrigerantes, marmelada, sucos e doces"!

Como se vê, materiais altamente inflamáveis e que põem em risco a existência do Estado de Israel.

Por outro lado, enquanto o governo israelense debocha do sofrimento palestino e da indignação mundial, o Conselho de Segurança da ONU votou novas sanções econômicas ao Irã que não possui bombas atômicas nem ocupa ilegalmente nenhum território estrangeiro.

Sobre essa votação na ONU, registre-se, a bem da justiça, o voto contrário do Brasil e da Turquia.

Infelizmente, porém, o imperialismo pode contar com seus lacaios internos sempre prontos a lustrar com sua saliva as botas norte-americanas.

Assim, o Dep. Raul Jungmann (PPS) não perdeu tempo em declarar seu apoio às sanções ao Irã e criticar o voto contrário do Brasil. Para o deputado, o voto do Brasil foi um "tiro no pé" porque "amanhã, se o Irã vier a explodir uma bomba atômica o mundo vai olhar para o Brasil e vai dizer: 'veja, vocês ajudaram eles, vocês deram tempo para eles'."(aqui)

Como sempre, Jungmann está errado. É justamente porque as sanções econômicas e as ameaças militares contra o Irã estão crescendo que o governo iraniano não terá outra opção que não seja construir armas nucleares para defender seu país.

Tenho nojo de Raul Jungmann.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Juros contra o Brasil


Ansioso por agradar seus colegas, o banqueiro Henrique Meireles, temporariamente à frente do Banco Central do Brasil, não vê a hora de aumentar a taxa de juros do país.

A desculpa, como sempre, é de que o aumento é necessário para controlar a inflação.

Porém, faltou combinar com a inflação. Como mostrado no flagra acima, a inflação de maio foi a menor do ano e confirma uma tendência de queda que vem desde de fevereiro.

A redução do ritmo de crescimento, que o aumento da taxa de juros provoca, só faz sentido para conter a inflação se a economia estiver operando perto de seu nível máximo de emprego e se não houver um aumento do investimento, que eleva esse nível máximo.

Acontece que, como os próprios banqueiros reconhecem, o investimento aumentou em 7,4% (aqui).

Aumentar os juros em um contexto de inflação baixa e em queda e com investimento em alta é um crime contra a economia nacional.

O verdadeiro motivo da taxa de juros não é controlar a inflação, mas sim validar as apostas que os especuladores fazem com os títulos da dívida pública.

PS: De brinde, a Miram Leitão sorrindo, o que é sempre um péssimo sinal para o país.

[ATUALIZADO]: O Banco Central elevou a taxa de juros em 0,75%, exatamente como queriam os banqueiros. Agora a taxa de juros brasileira é de 10,25%.

Presidente Lula, o senhor que é contra as sanções econômicas ao Irã, seja contra também as sanções econômicas ao Brasil.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Monstro Nazista


A arrogância e a brutalidade do exército e do governo de Israel não têm limites.

O ataque israelense aos barcos com alimentos e medicamentos para a Palestina é um crime contra a humanidade.

O mundo, revoltado, espera uma atitute do que se chama de organismos multilaterais, principalmente da ONU.

Atitude que, infelizmente, não virá, pois a ONU está sempre pronta para fechar os olhos e botar panos quentes sobre os crimes cometidos pelos Estados Unidos, Israel e seus aliados.

O ataque de Israel mostra porque o Irã não pode abrir mão de seu programa nuclear e deve, inclusive, construir bombas atômicas. Esse é o único meio de dissuadir a besta nazi-sionista. Mostra também porque a Coréia do Norte não pode confiar na ONU e em acordos afiançados por esses decadentes organismos multilaterais.

O Correia de Transmissão já comentou sobre o gravíssimo erro que foi o governo brasileiro ter concedido vantagens comerciais aos capitalistas israelenses através de uma acordo com o Mercosul (aqui).

Israel impõe um regime de aparheid aos palestinos. Israel possui um arsenal secreto de bombas nucleares e se recusa a assinar o tratado de não proliferação de armas de destruição em massa. Ocupa territórios ilegalmente da Síria, Líbano e Jordânia.

Estejamos agora preparados para assistir a um espetáculo de mentiras e hipocrisias para tentar justificar e abafar esse ataque covarde. O exército sionista já disse que atacou em legítima defesa contra ativistas desarmados que atiravam pedaços de paus e canos contra navios de guerra de última geração. Nos próximos dias não faltarão outras desculpas patéticas.

Certamente, não veremos José Serra se indignar contra esse atentado contra os direitos humanos.

Por outro lado, poderemos saber quais governos de fato merecem o rótulo de progressistas e quais se calarão diante da ascensão nazi-sionista do exército e do governo de Israel.

Enquanto isso, os Estados Unidos aumentam a pressão para uma nova rodada de sanções contra o ... Irã.

Canalhas!