segunda-feira, 22 de junho de 2009

Ainda não entendeu como funciona a mídia colonizada? Tá aí o desenho


(Clique na imagem para ampliá-la)


Divulgada pelo amigo blogueiro Guilherme.
Produzida pelo www.quantotempodura.wordpress.com

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Serra vai pagar caro por ter invadido a USP



Como todos sabemos, o governador de São Paulo, José Serra é incompetente e autoritário no tratamento com os movimentos sociais e em especial com os movimentos grevistas.

Quem não lembra do confronto entre a Polícia Civil e a Polícia Militar nas ruas da capital paulista?

Dessa vez, porém, ao autorizar a invasão da USP pela tropa de choque, Serra passou de todos os limites.

É impossível que as imagens da invasão à USP não tragam à memória as cenas dos sombrios anos da ditadura militar.

Justamente esse período que é ainda uma chaga não totalmente cicatrizada da nossa história.

(Quando os arquivos da ditadura serão abertos?)

Do alto de sua arrogância, Serra acha que sairá impune desse crime.

Como de costume, conta com o apoio da mídia colonizada.

Ele diz que não podia fazer nada.

O problema é que essa desculpa não engana mais ninguém desde os tempos de Pilatos. Aliás, ao dizer isso, Serra apenas evidencia sua incompetência.

Mesmo aqueles que a princípio não eram favoráveis à greve, se juntaram ao movimento de repúdio à agressão contra a USP.

A invasão da USP é um tapa na cara da sociedade brasileira.

Todos devem sentir na própria face esse insulto.

Serra pagará caro por essa agressão.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

O blog da Petrobrás é mais uma derrota da mídia colonizada


Desde a instalação da CPI de Privatização da Petrobrás, a estatal brasileira tem sido o alvo da fúria inquisitória da direita e da imprensa golpista.

Para evitar que as informações fornecidas pela da empresa sejam editadas e manipuladas, a Petrobrás criou um blog em que divulga a íntegra das informações que fornece à imprensa e comenta as notícias a ela relacionadas.

Desde então, a mídia colonizada tem encabeçado uma raivosa campanha contra o blog.

Chegaram ao absurdo de dizer que ele é uma ameaça à liberdade de imprensa no Brasil.

Clique aqui para ler a estapafúrdia nota da Associação Nacional de Jornais (ANJ)

Entretanto, o Blog da Petrobrás acerta dois coelhos com uma só cajadada.

Em primeiro lugar, ele permite que a empresa se comunique diretamente com o público sem ter que passar pelo filtro reacionário da imprensa. Ele quebra com o monopólio da mídia.

E em segundo lugar, ele expõe aos olhos de todos a edição e a manipulação de informações que transformaram a imprensa brasileira em um verdadeiro estábulo de Augias.

Aliás, a própria reação da mídia colonizada é uma prova de que NÃO liberdade de imprensa no Brasil.

Falta agora a Petrobrás cancelar os milionários contratos de publicidade que fazem a fortuna dos mesmos meios de comunicação que querem vendê-la.

A CPI da Petrobrás mostrou mais uma vez que o povo brasileiro é contra as privatizações.

Se o governo Lula fosse realmente comprometido com as mudanças, deveria aproveitar essa oportunidade para demitir, por entreguismo, todos os diretores da ANP e nacionalizar o petróleo do país. (clique aqui).

Não deixe de acessar o Blog da Petrobrás, que, por sinal, é hospedado em um servidor gratuito.

domingo, 7 de junho de 2009

Ditadura Colombiana



No dia 06 de junho, um juiz colombiano decretou a prisão de três líderes indígenas: Aida Quilcue, Feliciano Valencia e Daniel Piñacué.

A denúncia contra os líderes foi feita por um militar colombiano que foi preso pelos índios no momento em que traficava armas em uma reserva indígena. (clique aqui)

Ou seja, o criminoso processou as pessoas que o prenderam.

A absurda situação serviu de pretexto para aumentar a repressão ao movimento indígena do país.

"É um caso claro de perseguição política contra o movimento indígena", declarou a Associação das Assembléias Indígenas do Norte (ACIN, sigla em espanhol)

A Colômbia é apresentada pela mídia colonizada como um símbolo da democracia na América Latina.

Na verdade, porém, é exatamente o oposto.

Na Colômbia, os opositores ao regime são perseguidos, presos ou executados. Por exemplo, o Partido União Patriótica, de esquerda, teve 5 mil de seus filiados assassinados pelos paramilitares de direita na década de 1980.

O governo é controlado por uma narcoburocracia. Na gestão de Álvaro Uribe, esse controle consolidou-se e ampliou-se, atingindo as altas esferas dos três poderes (incluindo o exército).

As eleições são uma grande fraude, com dezenas de casos de violência contra as comunidades pobres que rejeitam as políticas neoliberais de Uribe.

Na política externa, a Colômbia tem seguido as ordens dos EUA de tentar desestabilizar os governos democráticos e progressistas que têm surgido na América Latina.

O ataque às FARC em território equatoriano é o exemplo mais gritante da ameaça que a Colômbia representa para a região.

O objetivo da narcoburocracia colombiana é transformar o país em uma base de apoio para o avanço do imperialismo.

Uma espécie de Israel da América Latina.

A empenho da imprensa colonizada em esconder esses fatos é apenas mais uma prova de sua decadência.



quinta-feira, 4 de junho de 2009

FHC é testemunha de defesa de Roberto Jefferson: eles querem vender o país



Roberto Jefferson é uma figura mítica da política brasileira.

Desde que foi líder do governo Collor, o chefe do PTB tomou gosto pela coisa e é presença garantida em todas as artimanhas subterrâneas da política.

Roberto Jefferson chegou ao ápice ao dizer que partido não precisa de ideologia.

Sem dúvida, um mito.

Atualmente, Jefferson teve que sair um pouco da política para resolver seus problemas com a polícia. Ele é acusado de ter recebido dinheiro, o chamado mensalão, para votar a favor da Reforma da Previdência, em 2003.

Na verdade, essa reforma foi um passo a mais na privatização da previdência e uma prova contundente da submissão do governo Lula ao capital financeiro.

A defesa de Roberto Jefferson alega que ele não tinha motivos para receber esse dinheiro porque ele sempre foi a favor das privatizações.

Quem ela chamou como testemunha de defesa?

Quem é que mais entende de privatização no Brasil?

Quem vendeu o rico patrimônio brasileiro a preço de banana?

Fernando Henrique e o PSDB, é claro. (clique aqui)

Além do nefasto ex-presidente, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também apareceu para defender Roberto Jefferson.

Só faltou o José Serra.

Poderia-se também sentir a falta de Arthur Virgílio. Mas, como o ele é apenas um papagaio de FHC, a presença do próprio retirou-lhe a utilidade.

FHC e Alckmin foram dizer que Jefferson é, como eles, a favor de vender o Brasil.

Nem precisava de tanto.

Todos já sabem disso.

A propósito, FHC entrou no tribunal por uma garagem reservada, geralmente utilizada para o transporte de criminosos.